EAD

Como é a aceitação do EAD no mercado de trabalho?

Crescimento da modalidade faz com que a aceitação do EAD no mercado de trabalho suba a cada ano.

15/10/2018 - Equipe Cafeina Nerd
#EAD #Mercado de trabalho

Row of business people sitting at seminar, focus on attentive young female

Crescimento da modalidade faz com que a aceitação do EAD no mercado de trabalho suba a cada ano.

Uma das ressalvas de quem pensa em fazer EAD é relativa ao mercado de trabalho. Muitos jovens têm medo de que após a formação no curso desejado, não haja uma boa aceitação. No entanto, o que pode ser dito de antemão é que esse possível preconceito não existe mais. Na verdade, o que acontece é o contrário. Os recrutadores das empresas veem profissionais formados em EAD com bons olhos. Vamos te explicar o porquê.

Habilidades adquiridas com EAD são bem vistas

Uma pessoa que faz EAD adquire responsabilidade, senso de comprometimento, organização e autonomia. Coloque-se no lugar de um recrutador. Isso é tudo o que você quer ver em uma pessoa, certo? Ela já estará muito mais preparada para lidar com futuras tomadas de decisão. Portanto, quanto a esse temido “preconceito”, se existiu, já passou. Até porque a modalidade promete superar o ensino presencial até 2023, segundo dados da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES). E, a partir disso, o mercado vai começar a ver cada vez mais profissionais, que fizeram seus estudos a distância.

Diploma igual ao do presencial

Outro fator que pode confortar o estudante é que o diploma de um curso EAD é, exatamente, igual ao de um semi-presencial ou presencial. Ou seja, isso significa que você só precisa contar que fez na modalidade escolhida se quiser. Não há essa especificação no diploma gerado pela faculdade.

Claro que isso não resulta em uma menor qualidade do ensino, pois o Ministério da Educação (MEC) precisa avaliar um curso quando é criado e o reavalia com frequência quase anual. Para quem quiser consultar, estes indicadores são o Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC), o Conceito Preliminar de Curso (CPC) e o Conceito Enade. Notas entre 4 e 5 são consideradas excelentes.

Para quem ficou interessado pela consulta, criamos um passo a passo:

Para te ajudar, montamos um passo a passo. Confira:

  • Entre no site do e-MEC (http://emec.mec.gov.br/)
  • Clique em “consulta avançada”
  • No item “buscar por” selecione “curso de graduação”
  • No campo “curso” coloque o nome do curso que você deseja fazer
  • Em “UF” selecione seu estado
  • Em “município” coloque sua cidade (opcional)
  • Em “modalidade” selecione “a distância”
  • Se você já sabe qual é o grau do curso (bacharelado, licenciatura ou tecnólogo) selecione no campo “grau”
  • Na área “atuação” coloque “em atividade”
  • Para finalizar, preencha o código de verificação e clique em “pesquisar”

 

Qualidade do EAD pode até superar a do presencial

Além do diploma ser igual e o mercado de trabalho ver o EAD com bons olhos, já é possível afirmar que essa modalidade de ensino vem superando muitos cursos presenciais em questão de qualidade. E você deve estar se perguntando como isso pode acontecer, certo? Bem, coloque-se no lugar de estudante. Você aprenderia mais com quizzes interativos, games, vídeo-aulas e debates em fóruns ou em uma sala de aula tradicional depois de um dia cansativo de trabalho e tarefas domésticas? É por isso que a modalidade cresce tanto no país. Além da praticidade, há a interatividade, que se aplica muito melhor no processo de cognição da mente humana. De uma forma mais leve, aprende-se muito mais.

Profissionais buscam incrementar formação e empresas apoiam

Outro fator que prova que as empresas estão observando o EAD com bons olhos é que muitas delas oferecem a opção de pagar uma graduação, uma pós graduação, um MBA ou um curso livre para que seus funcionários adquiram ainda mais conhecimento. Há um apoio, por parte da empresa, que é benéfico para os dois lados. O profissional se tornará melhor em suas atividades, o que ajuda a companhia, e pode ter um crescimento futuro gigantesco.

Deixe um comentário