10 possíveis temas de redação – vestibular 2019

Confira 10 possíveis temas de redação para vestibulares. Separamos de acordo com a relevância social, seu grau de atualidade e a possibilidade de debate e solução.

24/10/2018 - Equipe Cafeina Nerd

Os possíveis temas de redação para os vestibulares de 2019 possuem muita relação com as eleições presidenciais brasileiras de 2018 e com a revolução tecnológica, que vem acontecendo nos últimos anos. Além disso, alguns assuntos, como sustentabilidade e falência do sistema carcerário brasileiro também têm boas chances de aparecer, já que geram debates interessantes entre os alunos.

  • Intolerância, bipolarização e radicalidade política no Brasil

    As eleições presidenciais evidenciaram algo que já vinha acontecendo no Brasil e também ocorre em outros países, como Estados Unidos e na Rússia. Líderes políticos radicais, intolerância de parte da população e uma bipolarização capaz de destruir até laços familiares. Tudo isso acontecendo simultaneamente a escândalos de corrupção, prisão de ex-presidente e após um impeachment, no Brasil. A situação já é classificada por muitos como uma crise e, provavelmente, é.
  • Sustentabilidade

A sustentabilidade está em discussão nos meios de comunicação, nas grandes empresas, nas escolas, faculdades e no plano de governo de muitos políticos. Com um aquecimento global cada vez mais acelerado e visível, é preciso discutir formas de reduzir lixo, utilizar menos plástico para preservar oceanos, rios e lagos, métodos de reciclagem, menor emissão de poluentes, economia de luz e água, cuidados com as matas, entre outras atitudes.

  • Reforma da previdência

    A reforma da previdência toma conta do noticiário brasileiro desde 2017. Entre idas e vindas, ela foi suspensa em fevereiro de 2018 e até outubro não havia voltado a andar no Congresso. Ela surgiu devido ao crescente número de pedidos do benefício da aposentadoria, que vem criando um rombo nas contas públicas. As mudanças dizem respeito ao tempo de contribuição, idade mínima, teto da aposentadoria, dentre outras propostas.
  • Invasão de privacidade na internet

A invasão de privacidade na internet é um tema sério. Com o advento das novas tecnologias e o aumento considerável de usuários ativos na web, diversas regras e leis vem sendo criadas em vários países nos últimos anos para tentar inibir a prática de invasão de privacidade. Existem vários casos conhecidos da obtenção anti-ética e, provavelmente a partir de agora, ilegal. Um deles foi o da justiça brasileira, que tentou obter informações através do Whatsapp (mas, não conseguiu) e acabou até bloqueando 0 aplicativo por horas. Por esses e outros motivos, não é fácil dizer se há ou não segurança na internet. Até que ponto podemos colocar nossas informações nela, afinal?

  • Bullying e cyberbullying

Há muitos anos, o tema “bullying” vem aparecendo em televisões, sites, revistas e jornais. Já virou até filme, em vários países. Uma conscientização do assunto, visando alunos, mostrando-os as consequências do ato, as sequelas e por quê não praticar é necessária. Muitas vezes as pessoas podem até se enxergar distantes, porém isso é mais comum do que se pensa.

Com as novas tecnologias, também surgiu o cyberbullying, que nada mais é do que este assédio e essas agressões no ambiente virtual. O grande problema é que como, cada vez mais cedo, os jovens tem acesso à internet, acabam praticando isso com uma frequência ainda maior.

  • Proliferação de fake news

As eleições brasileiras de 2018 foram um marco no quesito “fake news”, assim como as norte-americanas haviam sido dois anos atrás. Não que não existisse a proliferação de notícias falsas antes disso, mas o volume foi muito grandioso e trouxe o assunto novamente à tona. Não foi algo que ocorreu somente para um partido ou candidato. Diversos deputados, senadores e presidenciáveis se beneficiaram de uma fragilidade da população, oferecida pelas redes sociais. Vale destacar que essa eleição foi a primeira que contou com uma legislação para notícias falsas no Brasil e, mesmo assim, o que ocorreu foi uma catástrofe e que evidenciou a imaturidade de boa parte das pessoas com ferramentas de navegação.

  • A deficiência do sistema de segurança pública

A crise da segurança pública no Brasil é uma realidade. A paralisação da Polícia Militar no Espírito Santo em 2017 levantou isso de forma desastrosa, com assaltos, mortes e uma bagunça talvez nunca vista no país.

No entanto, isso foi apenas a gota d’água. O governo já saberia que em algum momento algo catastrófico assim iria acontecer. O sistema de segurança pública vem sendo criticado por vários setores da sociedade há muitos anos. O aumento da criminalidade, das facções organizadas, do despreparo policial e da falta de políticas públicas efetivas é evidente. Isso tudo gera medo e desconfiança na população e legitima o “valer a pena” do crime para os mal-intencionados. Isso acaba gerando, consecutivamente, outro problema, que é, justamente, o tema abaixo.

  • Soluções para a superlotação do sistema carcerário

A superlotação do sistema carcerário já foi tema de muitos debates, palestras e de vários vestibulares Brasil afora. No entanto, como o problema não para de crescer, o assunto continua em voga. É um buraco muito profundo e complicado de ser resolvido. Existem vários fatores de complicação, como por exemplo: a falta de políticas de ressocialização, que levam os presos a cometerem outros crimes depois de soltos, a forma como são tratados os “pequenos crimes”, o despreparo da polícia e dos agentes penitenciários, a forma como são tratados os presos, ficando em celas com um espaço ridículo, o que gera ainda mais raiva para com os agentes penitenciários, acarretando em rebeliões, outros crimes e ainda mais confusão, etc. Claro que tudo isso é agravado pelo pequeno número de presídios e pelo tamanho reduzido que eles possuem. Enfim, há muito a ser debatido e, por isso, a superlotação e a falência do sistema carcerário brasileiro é um dos assuntos mais frequentes em vestibulares.

  • Refugiados no Brasil

A discussão acerca dos refugiados e imigrantes venezuelanos no Brasil é muito grande. Afinal, o país deve oferecer asilo a estes ou negar? Para debater a questão, é preciso entender o contexto. Estima-se que mais de 40.000 venezuelanos partiram rumo a Roraima para fugir da crise de abastecimento de alimentos, do colapso dos serviços públicos e da inflação de 700% do país vizinho. O grande problema é que a cidade não tinha condições de suportar tanta gente assim. Isso causou muita confusão, com pedradas, ataques de bombas, incineração de pertences, perseguição aos refugiados, assaltos, etc. Como o movimento de imigração não foi coordenado, entre os governos, muitos acabaram sendo expulsos pelo Exército, causando discórdia na população brasileira. 

  • Legalização do aborto

Há muito tempo o aborto vem sendo discutido na América Latina. O Senado Argentino até chegou a votar a questão, mas o Congresso do país considerou que a prática ainda deveria ser ilegal. De qualquer forma, o debate é grande. Muita gente acredita que o correto seria que a mulher decidisse sobre o ato, para outros isto abriria um precedente negativo.

Porém, a corrente atual mais forte protesta, devido à morte de muitas mulheres, que não possuem dinheiro para realizar o serviço em clínicas boas, que prestam o serviço de forma ilegal, acabam procurando clínicas clandestinas e, pela falta de higiene ou pelo despreparo para algo tão delicado, morrem durante o procedimento.

Deixe um comentário