Entenda as polêmicas que colocam o ENEM 2019 em risco

Enem

Entenda as polêmicas que colocam o ENEM 2019 em risco

De falência da gráfica que imprimia as provas à mudança de ministros da Educação: confira todas as polêmicas que colocam o ENEM 2019 em risco

09/04/2019 - Equipe Cafeina Nerd
#Abraham Weintraub #Educação #Enem #polêmicas #Ricardo Vélez Rodríguez
estudante segurando a prova do ENEM
Foto: Eduardo Carmim/Photo Premium/Folhapress

As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) só serão realizadas nos dias 3 e 10 de novembro. No entanto, como já é de praxe, o assunto começa a render nos primeiros meses do ano. Em 2019 não foi diferente. Mas, o que mudou foram os motivos. O primeiro foi a entrada do governo de Jair Bolsonaro na presidência, que acusou a prova de ter questões ideológicas, prometendo realizar uma fiscalização em todas as questões antes do exame ser aplicado. Isso é grave, pois fere o estatuto do Inep. Depois veio à tona a falência da gráfica que imprimia as provas – que inclusive já deveriam estar prontas para serem impressas – colocando o ENEM 2019 em risco. Por último, uma troca no ministro da educação na última segunda-feira (08), que tumultua ainda mais a situação.

Os interesses por trás do ENEM

Criado em 1998, o ENEM é a principal forma de entrada no ensino superior brasileiro. Faculdades públicas, universidades federais, programas governamentais e até instituições privadas oferecem vagas através do exame que mobiliza o país. Em 2018, por exemplo, foram mais de 5,5 milhões de inscritos e menos de 25% de taxa de abstenção. Os números são altos e, por isso, há tantos jogos de interesse por trás de algo que deveria ser visto “apenas” como mais um importante pilar da educação brasileira. Infelizmente, não é isso que acontece. Políticos, empresários e afins vêem uma oportunidade de aparecer, lucrar.

Entretanto, é evidente que isso não é benéfico para o candidato, que fica à mercê de situações externas e nem sempre consegue focar 100% da sua atenção nos estudos. Pode parecer exagero, mas coloque-se no lugar de um jovem de 18, 19 anos que se prepara o ano todo, faz cursinho pré-vestibular e estuda dia e noite com o objetivo de conseguir uma vaga na universidade dos sonhos através do ENEM. Como será que ele recebe a notícia de que a prova pode ser adiada ou cancelada por uma fraude, como aconteceu nos últimos anos? O jogo de interesse também está presente em candidatos mau intencionados, que buscam a vaga por vias irregulares.

ENEM 2019

Falência da gráfica

A gráfica que imprimiria o ENEM 2019 decretou falência na semana passada. A RR Donnelley era uma multinacional, que realizava a tarefa há 10 anos. Segundo comunicado, a empresa “precisou encerrar suas operações no Brasil” por causa das “atuais condições de mercado” e de uma dívida de 180 milhões R$. Vale lembrar que a prova era sempre impressa entre abril e maio.

cadernos de questões do ENEM

O processo para licitação leva 6 meses e, por isso, o atraso coloca a prova em risco. O Inep já informou que está estudando mecanismos seguros para que o cronograma seja mantido, o que de fato deve acontecer. Duas empresas de grande porte já se ofereceram para fazer a impressão do exame. Veja abaixo o calendário original do ENEM 2019:

  • Período para pedido de isenção na taxa e justificação de ausência do ano anterior: 1º a 10 de abril
  • Resultado da solicitação de isenção: 17 de abril
  • Solicitação de recursos para quem teve a isenção rejeitada: 22 a 26 de abril
  • Solicitação de atendimento especial ou de utilização de nome social: 6 a 17 de maio
  • Inscrições: 6 a 17 de maio
  • Pagamento da taxa de inscrição: 6 a 23 de maio
  • Divulgação do local de prova: outubro
  • Primeiro dia de provas: 3 de novembro
  • Segundo dia de provas: 10 de novembro
  • Publicação do gabarito: 17 de novembro

Demissão de Vélez

Na última segunda-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro anunciou via rede social que o ministro da educação, Ricardo Vélez Rodríguez, estava demitido, menos de 100 dias após sua nomeação. Bolsonaro também comunico que Abraham Weintraub será o substituto.

Vélez é colombiano naturalizado brasileiro e vinha enfrentando situações conturbadas desde quando assumiu, em janeiro. Foram inúmeras as polêmicas nesse período e listamos abaixo as principais:

  • Vélez afirmava querer mudar os livros didáticos de história para tratar o golpe de 1964 como revolução.
  • Ele protagonizou 14 trocas em cargos no Ministério da Educação, incluindo a demissão do secretário-executivo da pasta.
  • Pediu às escolas que gravassem alunos cantando o hino. Algo proibido por lei.
  • Disse acreditar que faculdade não é para todos.

O novo ministro

Abraham Weintraub é o novo ministro ministro da Educação e terá grande influência no ENEM 2019. Ele já trabalhava no governo Bolsonaro como secretário-executivo da Casa Civil.

Abraham Weintraub, novo ministro da Educação
Foto: Cristiano Mariz Data

Ele é formado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (1994) e mestre em administração na área de finanças pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Abraham também destaca na sua trajetória profissional como professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e atuante no mercado financeiro há mais de 20 anos. Ele também acumula um emprego no Banco Votorantim por 18 anos, como economista-chefe e diretor.

Fraudes em anos anteriores

Não é de hoje que ocorrem polêmicas nos meses que antecedem o ENEM. É verdade que em 2019 os motivos são outros, como vimos acima. No entanto, vale relembrar que a situação já foi até mais grave. Conheça os casos abaixo.

Em 2011, um professor de um colégio particular de Fortaleza foi acusado de divulgar questões da prova para seus alunos a pouco menos de 7 dias para o ENEM. Sua alegação é de que as perguntas foram retiradas de um pré-teste do vestibular organizado pela Fundação Cesgranrio. Ele até chegou a ser condenado em primeira instância, mas conseguiu a absolvição 5 anos depois.

Aparelhos de fraude do ENEM na polícia

Outro caso de vazamento aconteceu no ano de 2009, quando câmeras de segurança da gráfica que imprimia as provas flagraram um dos funcionários retirando do local um dos cadernos de questões e distribuindo a terceiros. A prova, então, foi cancelada e remarcada para o mês seguinte.

Com a expansão das redes sociais e dos aparelhos eletrônicos, tornou-se cada vez mais comum tentativas de fraude por pontos eletrônicos, aplicativos de mensagem e afins. Milhares de alunos foram eliminados de 2012 para cá. Há casos emblemáticos, como os de alunos que publicaram fotos da prova no Facebook e no Twitter.

Em 2014, uma quadrilha que agia em 5 estados brasileiros foi descoberta. Eles cobraram entre 70 mil R$ e 200 mil R$ para passar as respostas através de pontos eletrônicos para os estudantes. 33 foram presos, sendo 11 do grupo criminoso e 22 candidatos. Já em 2015, foram mais de 700 eliminados pelo uso inadequado do celular.

coleta de dados biométrico enem

Com o intuito de combater estas fraudes, o Inep vem implementando métodos, Um deles é o monitoramento das redes sociais antes e durante o exame. Em 2019, a instituição anunciou que além da revista e do detector de objetos metálicos, a coleta de dados biométricos também será feita para evitar que alguém faça a prova no lugar do candidato inscrito.

Deixe um comentário