Redação que desrespeitar os direitos humanos não será zerada no Enem

Enem

Redação que desrespeitar os direitos humanos não receberá zero no Enem 2018

Quem desrespeitar os direitos humanos não receberá nota zero na redação do Enem 2018. A exemplo do que aconteceu no ano anterior, TRF anula regra sobre o assunto.

05/11/2018 - Equipe Cafeina Nerd
#2018 #Direitos Humanos #Enem #Redação

O Ministério da Educação informou que a suspensão da regra que zerava as redações de alunos que desrespeitassem os direitos humanos está mantida para o Enem 2018. A anulação já havia sido efetivada para a prova de 2017, por decisão do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região).

Para “garantir tranquilidade aos participantes” do Enem, o Ministério da Educação divulgou que a prova de redação não será anulada, caso o estudante desrespeite os direitos humanos. Em 2016, mais de 4 mil provas foram zeradas por este motivo e, no ano passado, a associação Escola sem Partido pediu e o TRF-1 acatou a suspensão do item, que mencionava o assunto.

De qualquer forma, apesar da decisão do TRF, quem desrespeita os direitos humanos não conseguirá tirar nota máxima (1.000) na redação do Enem. Isso ocorre pois existem cinco competências, que avaliam o texto e uma delas diz respeito aos direitos humanos. Dessa forma, o aluno que não os respeita, só pode tirar até 800, tendo em vista que cada uma delas vai de 0 a 200.

Os cinco parâmetros para avaliar a redação do Enem são os seguintes:

1) demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa.

2) compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

3) selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

4) demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

5) elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Entenda o caso

Logo após a publicação do edital do Enem 2017, com o item 14.9.4, que afirmava que seria “atribuída nota 0 (zero) à redação que apresente impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação, bem como que desrespeite os direitos humanos“, a associação Escola sem Partido pediu com urgência para que a parte final do item fosse anulada. Segundo a associação, “nenhum dos candidatos deveria ser punido ou beneficiado por possuir ou expressar sua opinião”. Na visão deles, não havia um referencial objetivo, “impondo-se aos candidatos, em verdade, respeito ao ‘politicamente correto’”. Dessa maneira, o TRF-1 levou o caso à votação e decidiu pela anulação da regra.

Mais adiante, o INEP tentou derrubar a regra, afirmando que o Enem seguia as normas da Constituição de 1988. No entanto, a ministra Carmen Lúcia, que estava no plantão judicial do STF, decidiu mantê-la. Em 2018, o Ministério da Educação já garantiu que a anulação do item continua valendo para o Enem deste ano.

Deixe um comentário